Sacerdote considera que encontro na América central apresenta «um testemunho forte» de fé das novas gerações

Viseu, 15 jan 2019 (Ecclesia) – O padre Paulo Vicente, da Diocese de Viseu, vai participar na próxima Jornada Mundial da Juventude (JMJ), no Panamá, esperando “trazer bases, coisas boas para transmitir aos jovens”.

“Apesar das pessoas pensarem a ideia de Igreja para pessoas mais idosas, numa Jornada Mundial da Juventude vemos jovens de todo o mundo e estamos todos a caminhar para Cristo. É um testemunho forte que leva os jovens a rumar ao Panamá”, disse à Agência ECCLESIA.

A uma semana do maior encontro mundial da juventude católica, o sacerdote realça que este continua quando os participantes regressam às realidades nacionais.

“Esse trabalho tem de ser bem conseguido para dar frutos a nível das paróquias. Da jornada conseguimos trazer bases, coisas boas que podemos transmitir aos jovens”, observa o pároco in solidum de Arcozelo das Maias, Ribeiradio e Sejães.

Nas suas paróquias da Diocese de Viseu, o jovem sacerdote – ordenado a 25 de junho de 2017- tem dois grupos de jovens com quem se reúne semanalmente e assegura que “o trabalho da paróquia vai ao encontro” da juventude, daqules de “quem, cada vez mais, a Igreja precisa”.

A 26 e 27 de janeiro, o Secretariado da Pastoral Juvenil de Viseu vai organizar um fim-de-semana com jovens, acompanhando desde Portugal a Jornada Mundial da Juventude 2019, que começa no próximo dia 22.

O padre Paulo Vicente revela que se vai ligar em direto, via Skype, aos dois polos do encontro diocesano – em Oliveira de Frades e no Sátão – para “transmitir um pouco o que se passa” na América Central.

Neste contexto, realça que esta partilha “é importante” para os jovens acompanharem o que se vive no Panamá, uma vez que “não há muitas oportunidades” de participar pessoalmente nesta JMJ, por causa da data e dos custos associados.

Para o sacerdote de 27 anos, estas são as segundas Jornadas Mundiais da Juventude depois de Cracóvia, na Polónia, em 2016, “uma aventura grande”.

“Fomos quatro pessoas de carro à Polónia, foi uma aventura que me marcou e, como sou um bocadinho aventureiro, vou partir agora para o Panamá”, lembra Paulo Vicente.

Segundo dados do Departamento Nacional da Pastoral Juvenil vão participar 318 portugueses de 12 dioceses e quatro movimentos, incluindo seis bispos e 30 voluntários.

A organização da 34.ª Jornada Mundial da Juventude espera 200 mil jovens de 155 países, incluindo mil jovens indígenas dos cinco continentes.

As JMJ nasceram por iniciativa de São João Paulo II, após o encontro no Ano Internacional da Juventude, em Roma, em 1985.

Cada Jornada Mundial da Juventude realiza-se, anualmente, a nível diocesano no Domingo de Ramos, alternando com um encontro internacional a cada dois ou três anos: em 1987, Buenos Aires (Argentina); em 1989, Santiago de Compostela (Espanha); em 1991, Czestochowa (Polónia); em 1993 em Denver (EUA); em 1995, Manila (Filipinas); em 1997, Paris (França); em 2000, Roma (Itália); em 2002, Toronto (Canadá); em 2005, Colónia (Alemanha); em 2008, Sidney (Austrália); em 2011, Madrid (Espanha); Rio de Janeiro (Brasil), em 2013; e Cracóvia (Polónia), em 2016.

HM/CB/OC

Partilhar:
Share