Apoios foram distribuídos por 12 concelhos pertencentes à Diocese de Coimbra

Coimbra, 08 fev 2019 (Ecclesia) – A Cáritas Diocesana de Coimbra divulgou um comunicado sobre a ajuda prestada nos incêndios de junho e outubro de 2017 que afetaram 12 concelhos da sua área de intervenção, onde informa sobre os diferentes apoios prestados.

A Cáritas de Coimbra definiu um “Compromisso de ajuda a todos os Municípios atingidos”, que se concretizou no apoio a necessidades básicas, “garantia de subsistência” e “sempre em articulação com as autarquias e sob a orientação das mesmas”, informa um comunicado enviado hoje à Agência ECCLESIA.

O “Compromisso Cáritas” fundamentou-se em “quatro critérios”: responder a “necessidades identificadas e priorizadas pelas câmaras municipais, bens primários (motosserras), bens que não fossem suportados em candidaturas até 5.000€ (tratores) e celeridade na intervenção”.

“Nos três dias após os incêndios, a Cáritas disponibilizou 4800 bens de primeira necessidade” numa resposta de apoio “direto e imediato às populações atingidas”, indica o comunicado.

Perante as solicitações, definiu a Cáritas que “os donativos recebidos a partir de 15 de outubro na Conta «Cáritas de Coimbra – Incêndios 2017» seriam alocados aos incêndios de outubro”.

A instituição destaca a realização de duas iniciativas, «É Preciso Acreditar» promovida pelo artista André Sardet e a «10ª edição da Taça Portugal Solidário», que resultaram em 213.879,25€ de donativos.

O valor total, contabilizado com “donativos de outros particulares, empresas e associações” atingiu-se o valor de 530.015,72€.

“O investimento em equipamentos e infraestruturas totalizou 543.064,35€, traduzido na aquisição de 116 motosserras, 46 tratores, 23 alfaias agrícolas e dois anexos para abrigo dos animais. As despesas com bens de primeira necessidade (alimentação e vestuário) e os custos afetos à execução do compromisso (deslocações, combustíveis, etc.) e regularização do IVA importaram em 1.705,42€. O orçamentado foi ultrapassado em 14.754,05€ o orçamentado, subtraídos à verba disponível dos incêndios de junho”.

A instituição diocesana refuta responsabilidades na “demora na entrega dos tratores às pessoas vítimas dos incêndios do Município de Oliveira do Hospital”, incumbindo o município desta falta e acrescenta que promoveu de “diversas formas”, diligências para que a entrega fosse realizada.

Sobre os incêndios de junho, a Cáritas informa que reconstruiram parcialmente 16 habitações, reconstruiram totalmente 17 habitações e procederam à aquisição de duas habitações, num “investimento na ordem dos 1.671.184,61€ com praticamente a totalidade liquidada, 1.633.567,33€”.

A página da internet da Cáritas Diocesana de Coimbra informa ainda ter estado “desde a primeira hora junto das populações vítimas dos incêndios de junho e de outubro de 2017”, no apoio a “necessidades básicas e urgentes”, e “fazendo chegar às pessoas, através das equipas de Colaboradores Cáritas e Voluntários, os donativos que chegaram de todo o país e do estrangeiro”.

LS

Partilhar:
Share