170 pessoas morreram, ao tentar chegar à Europa

Cidade do Vaticano, 20 jan 2019 (Ecclesia) – O Papa recordou hoje no Vaticano as 170 vítimas dos mais recentes naufrágios no Mediterrâneo, rezando pelos mortos e também por quem tem responsabilidade nestas tragédias.

“Penso nas 170 vítimas, dos naufrágios no Mediterrâneo. Procuravam um futuro para a sua vida… Vítimas, talvez, de traficantes de seres humanos: rezemos por eles e pelos que têm responsabilidade pelo que aconteceu”, disse, desde a janela do apartamento pontifício, perante milhares de pessoas reunidas na Praça de São Pedro, para a recitação do ângelus.

Francisco, visivelmente emocionado, recitou uma Ave-Maria com todos os presentes pelos migrantes desaparecidos esta sexta-feira após um naufrágio a 50 milhas da costa da Líbia, incluindo um bebé de dois meses, na sua maioria pessoas provenientes da Nigéria, Camarões, Gâmbia, Costa do Marfim e Sudão.

Horas antes, um outro naufrágio, na costa espanhola, terá provocado a morte de 53 migrantes africanos, tendo sido apenas resgatada uma mulher com vida.

Francisco disse aos peregrinos e visitantes reunidos na Praça de São Pedro que tinha “duas grandes dores” no coração, falando, além do Mediterrâneo, do recente atentado que provocou mais de 20 mortos e quase 70 feridos em Bogotá.

Desejo assegurar a minha proximidade ao povo colombiano, após o grave atentado terrorista da última quinta-feira, na Escola Nacional da Polícia. Rezo pelas vítimas e os seus familiares, e continuo a rezar pelo caminho da paz na Colômbia”.

O governo colombiano responsabilizou a guerrilha do Exército de Libertação Nacional pelo ataque à principal academia de polícia do país.

OC

Partilhar:
Share